Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

A história da sandes na alimentação e no consumo

Logo ciac 1 750 2500
26 Novembro 2015

Os ingleses têm uma expressão interessante para designar alguém que se encontre pressionado entre duas atividades, que é “you are sandwiched between…”

A sanduíche, do inglês sandwich, também popularmente chamado de sandes, em português europeu ou de sanduba, em português brasileiro, é um tipo de alimento que consiste em dois pedaços de pão, entre os quais é colocado queijo, carne ou outro tipo de alimento. Pode também ser feito com um pão inteiro de dimensões mais pequenas. São habitualmente consumidos ao lanche ou como refeição rápida, durante o almoço ou o jantar.

Nos dias que correm a sandes passou a fazer parte das nossas refeições principais, pelo menos numa delas.

A ideia de colocar algum conteúdo no pão é bem antiga.

Nos antigos rituais judaicos da Páscoa (Pessach), já se misturava no pão alguns embutidos, que poderiam ser carne ou frutos e até mesmo plantas. Nesta cerimónia come-se pão ázimo (matzá), ervas amargas (maror) e uma mistura de maçã, nozes e mel (charosset). Esta mistura lembra o barro que os judeus amassavam para fazer a argamassa para juntar às pedras das pirâmides.

Segundo a história judaica, na passagem sobre a saída do Egito, narra um rabino de nome Hilel, que juntava duas fatias de pão ázimo e no meio recheava com ervas amargas e o charosset.

A partir do século XIX, com a revolução Industrial e, com as jornadas de trabalho cada vez mais extensas, a sandes passou a ser uma opção mais prática, apesar de pouco nutritiva. Popularizou-se os almoços rápidos para trabalhadores das grandes cidades, em especial em países como a Inglaterra, Países Baixos e Alemanha. Em Itália surgiram as bruschetta, tramezzino, panino. Nos Estados Unidos, nasceram o cachorro quente, o hambúrguer, este provavelmente levado por emigrantes alemães, que acabou por ganhar o mundo, em medos do século XX, com o surgimento das grandes redes mundiais de fast-food.

Que a sandes revolucionou a nossa cadeia alimentar, sem dúvidas. Todavia, qual a origem da sandes?

Consultada a história, vamos até ao Reino Unido, numa cidadezinha de Kent, a 2 Km do mar que se chama Sandwic, sand em inglês significa areia e wic significa vila, Vila de Areia.

Estamos no ano de 1660, quando o monarca Inglês, Carlos II, presenteou o comandante da frota inglesa, Sir Edward Montague com o título de Conde Sandwich.

Ao longo da história houve vários condes Sandwich, mas foi o quarto conde de Sandwich, John Montague (1718-1792), que deu origem ao snack que conhecemos como sanduíche.

Tal como o seu bisavô, ele também pertencia à marinha. Era porém corrupto e incompetente, tendo sido atribuído a ele a perda pelas forças inglesas da guerra da revolução americana (1771-1783).

Uma das atividades prediletas do conde John Montague era o jogo de apostas, ficando horas na mesa do jogo. Numa dessas noitadas de muita farra e jogatina, ordenou que lhe trouxessem carne, mas no meio de duas fatias de pão, evitando assim que os seus dedos ficassem gordurosos e consequentemente, marcassem as cartas do jogo.

A estratégia funcionou e desde então este snack foi adotado em quase todas as casas inglesas de apostas. 

São servidos de uma sandes?

Município do Barreiro © 2015 | Todos os direitos reservados

logotipo de wc3amrs logotipologotipo Wiremaze