Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

Candidaturas aprovadas em regime de aprovação condicionada – overbooking

Fase 2 - Overbooking

 

ENQUADRAMENTO DA CANDIDATURA:
São candidaturas em regime de aprovação condicionada – overbooking, ao abrigo do regulamento específico Reabilitação Urbana.
O prazo de apresentação foi 7 de abril de 2015 (aviso: http://www.porlisboa.qren.pt/np4/759.html). As operações foram aprovadas em 8 de maio de 2015 e os contratos assinados em 18 de maio de 2015.

De acordo com o ponto 13 do aviso do concurso, a aprovação é condicionada à existência de dotação disponível no Programa Operacional e às respetivas candidaturas aprovadas de forma condicionada em overbooking não confere o direito a serem financiadas pelo Programa Operacional Regional de Lisboa e ou por qualquer outro Programa, presente ou futuro, da responsabilidade da Comissão Europeia, do Estado Português ou de qualquer outra entidade.

As obras estão concluídas física e financeiramente. A taxa de financiamento é de 65%.

Notícia da aprovação no site: http://www.porlisboa.qren.pt/np4/786.html

 

Conheça AQUI as Candidaturas aprovadas em regime de aprovação condicionada – overbooking

Regulamento/ Concurso: Reabilitação urbana (comparticipação: 65%)

Parque Juvenil dos Pardalitos

LISBOA-02-0741-FEDER-001116
Custo Elegível Aprovado: €158,600.88
Fundo Elegível Aprovado: €103,090.57 

A empreitada de remodelação do Parque Juvenil dos Pardalitos, situado na Freguesia do Lavradio, consistiu na reabilitação de uma zona que se encontrava descaracterizada, onde existia um parque infantil obsoleto e uma pista de trânsito inutilizável num parque juvenil. O projeto teve o objetivo de remodelar o Parque, incluindo o espaço adjacente aos aglomerados habitacionais, criando condições de segurança e salubridade necessárias à frequência de crianças e jovens, bem como dos respetivos acompanhantes. Situado numa área urbana consolidada, a escolha dos brinquedos com o seu aspeto urbano e desportivo procura enquadrar-se no ambiente urbano da envolvente.

 

Reabilitação do Café Barreiro

LISBOA-02-0741-FEDER-001117
Custo Elegível Aprovado: €98,922.68
Fundo Elegível Aprovado: €64,299.74

O Edifício “Café Barreiro” situa-se no Concelho do Barreiro, Freguesia do Barreiro, e insere-se numa área de reabilitação urbana (ARU), de acordo com a Deliberação e documento de estratégia. Situado no núcleo antigo da cidade, área histórica caracterizada por uma malha urbana de desenho ortogonal e que se desenvolve paralela ao Rio Tejo, insere-se numa zona constituída na sua maioria por edifícios de 2 pisos, de desenvolvimento longitudinal paralelo ao rio. O Edifício “Café Barreiro”, propriedade da Câmara Municipal do Barreiro, apresentava um avançado estado de ruína e com necessidade urgente de diversas intervenções. A 1ª fase da obra incidiu na recuperação e consolidação do edifício existente. A proposta considerou o restauro de todos os elementos decorativos exteriores e a recuperação da estrutura do edifício, consolidando ou substituindo, quando necessário, os elementos ou parte dos elementos resistentes, como é o caso da cobertura e dos torreões. A intervenção, para além de salvaguardar o bom estado de conservação da fachada do edifício e sua estabilização, assumiu importância devido a possibilitar a reafectação de um novo uso – A Câmara Municipal do Barreiro irá a curto prazo firmar um protocolo com a Polícia de Segurança Publica com vista à utilização do imóvel.

 

Recuperação dos Moinhos em Alburrica

LISBOA-02-0741-FEDER-001118
Custo Elegível Aprovado: €79,410.05
Fundo Elegível Aprovado: €51,616.53

Os moinhos Nascente e o Central ou Poente, foram edificados em 1852, desativados em 1950 e adquiridos pela Câmara Municipal em 1973. Possuem torre cilíndrica de dois pisos, cobertura móvel e duas mós. O moinho grande de tipologia holandesa foi desativado em 1919, sendo habitado por pescadores até 1998, quando passa a Património Municipal. O 4ª moinho de vento, mais conhecido pelo “Moinho do Jim”, foi mandado edificar em 1827 pelo britânico James Hartley, conhecido por “Jim”, funcionou até ao final do séc. XIX, sendo em 1926 adaptado para habitação. Em 1960 passa a Património Municipal. Moinho de arquitetura Proto–Industrial, com estrutura em forma de cone truncado, torre de três pisos, cobertura giratória e duas mós. O sistema de velas original era de tecnologia holandesa – velas de madeira retangulares com uma envergadura de 13 metros. As obras de recuperação dos quatro moinhos de vento (Nascente, central, grande e moinho do Jim) os três primeiros situados em Alburrica e o quarto situado na Av. Bento Gonçalves, consistiram em intervenções no exterior dos edifícios, nomeadamente, no restauro das fachadas, reparação das estruturas de suporte em madeira das coberturas e substituição das chapas de zinco, limpeza de cantarias e substituição das caixilharias e pinturas. Os moinhos de vento ostentam um caracter icónico para o Barreiro e localizam-se na área de intervenção do programa de ação REPARA – Regeneração Programada da Área Ribeirinha de Alburrica, candidatura ao EIXO II e III do QREN – Operações integradas para Regeneração Urbana de Frentes Ribeirinhas e Marítimas. Em Junho de 2013 a CMB celebrou um contrato de comodato com a Gasoline, mediante o seu pedido de empréstimo do Moinho de Vento Poente, para instalação de uma Escola de Surf e desenvolvimento de atividades de sensibilização ambiental, que incluem a limpeza da praia fluvial, na qual está localizado o referido Moinho. Segundo a deliberação, “é importante fomentar este tipo de atividade desportiva no Barreiro, aproveitando as ondas criadas pela deslocação dos catamarãs, que irá atrair praticantes de outros concelhos, bem como manter limpa a referida praia fluvial”.

Atualmente funcionam no Moinho do Jim serviços camarários.

 

Recuperação do Parque Infantil Professora Maria Machado - FINANCIAMENTO APROVADO

LISBOA-02-0741-FEDER-001119
Custo Elegível Aprovado: €74,003.02
Fundo Elegível Aprovado: €48,101.96

A área intervencionada localiza-se a norte da freguesia do Lavradio, entre a Rua Maria Lalande e a Rua Combatentes da Guerra Colonial e é delimitada por três edifícios. A primeira empreitada, designada por remodelação do Parque Professora Maria Machado, contemplou o tratamento dos elementos estruturais existentes e o tratamento estético das superfícies, incluindo a pintura de candeeiros e elementos metálicos, a remodelação dos pavimentos, a recuperação do jogo de xadrez, a introdução de equipamentos didáticos, jogos tradicionais no pavimento e mobiliário urbano. Integraram-se ainda os acessos pedonais que confinam com os edifícios, conforme limite definido na planta de síntese e uma estrutura verde – plantação de árvores de diversas espécies e de arbustos e plantas de espécies autóctones de sequeiro, que exigem menores cuidados de manutenção. A segunda empreitada consistiu na substituição do pavimento de saibro por pavimento em lajetas tipo paver.

 

Requalificação do Bairro das Palmeiras

LISBOA-02-0741-FEDER-001120
Custo Elegível Aprovado: €178,922.33
Fundo Elegível Aprovado: €116,299.51

A presente operação incidiu sobre duas componentes: a remodelação do Interior do Parque Infantil do Bairro das Palmeiras e a remodelação da Rua 1.º Maio e ligação à Rua 9 de Abril. No que diz respeito ao Parque Infantil, a intervenção teve por objetivo a criação das condições de segurança e salubridade necessárias a este tipo de equipamento e, por outro lado, estruturar e articular os brinquedos e áreas de jogo no recinto, de modo regrado. Propôs-se uma remodelação funcional e organizada mas que deixa em aberto possibilidades de utilização variadas por parte das crianças. Procedeu-se à substituição do pavimento, à introdução de uma estrutura verde de forma a criar zonas de sombra e respetiva rede de rega, execução da rede de drenagem de águas pluviais, relocalização de alguns brinquedos e introdução de elementos em conformidade com o DL 379/97 de 27 de dezembro e com as necessidades dos utentes. Com a presente obra procedeu-se à melhoria das suas condições de utilização e optou-se por criar um circuito a partir de um algarismo do conhecimento dos mais novos e de introduzir um jogo de pavimento, bem como áreas pavimentadas que permitam a concretização de outras brincadeiras e jogos a realizar pelas crianças. Em respeito à remodelação da Rua 1º de maio e ligação desta rua à Rua 9 de abril, procedeu-se à colocação de lancil, execução de passadeiras sobre-elevadas, instalação de guardas para contentores, passeios, pavimentação e sinalização horizontal. Importante será dizer, que neste bairro também já houve uma intervenção no edifício CAIC pré-escolar no âmbito da candidatura da DRELVT. A intervenção consistiu essencialmente na reformulação da imagem do edifício, e na resolução dos problemas construtivos resultantes da má qualidade dos materiais da cobertura. Para além da necessidade de diminuir a incidência solar no interior do edifício, impedir a entrada de água através das portas, substituir os pavimentos degradados resultantes de inundações e efetuar uma pintura geral, houve a necessidade de transformar o edifício numa referência positiva no contexto do ambiente urbano onde o mesmo se insere, o Bairro das Palmeiras. O conceito que está associado ao tratamento que se propôs fazer no exterior do edifício foi buscar referências ao dia-a-dia das crianças, onde as cores fortes e alegres estão invariavelmente presentes. As coberturas de fibrocimento foram substituídas por painéis sandwich constituídos por duas chapas de aço lacado e poliestireno expandido no interior.

 

Revitalização do Centro do Barreiro -FINANCIAMENTO APROVADO

LISBOA-02-0741-FEDER-001121
Custo Elegível Aprovado: €290,313.85
Fundo Elegível Aprovado: €188,704.00

O projeto consistiu na Requalificação Urbana da envolvente ao Mercado 1º de Maio e do Parque Catarina Eufémia, nomeadamente, das ruas Eça de Queiroz e Câmara Pestana sitas na freguesia do Barreiro. Os pavimentos viários encontravam-se bastante degradados e a empreitada surgiu no âmbito da requalificação daquela zona e da reconstrução do edifício do Mercado 1º de Maio. A intervenção teve como objetivo a substituição dos pavimentos existentes, com correção de cotas altimétricas dos arruamentos e respetivas pendentes, alargamento dos passeios pedonais, criação de bolsas de estacionamento e criação de acessibilidades a garagens e passadeiras. A obra contou ainda com trabalhos de adaptação da rede de drenagem, executados internamente pelos serviços da Câmara. Quanto à rua José Magro e no âmbito da Requalificação Urbana foi elaborado um projeto para reconverter uma zona aparentemente abandonada num parque de estacionamento, sito na rua José Magro. Esta zona apresentava uma deficiente estrutura urbana. A intervenção teve como objetivo o reaproveitamento de toda a área para a execução de um parque de estacionamento, otimizando todo aquele espaço. A intervenção compreendeu os seguintes trabalhos - Arranjos exteriores, incluindo demolições, movimentos exteriores, colocação de pavimentos; Reconstrução de muro com elementos de betão armado e enchimento com blocos de betão; Pinturas de superfícies em betão; Rebocos e pinturas; Rede de saneamento; Rede de rega; Mobiliário urbano; Sinalização viária; Plantação de árvores e trepadeiras e colocação de elementos metálicos em muro.

 

Requalificação/Ampliação do Cemitério da Vila Chã

LISBOA-02-0741-FEDER-001122
Custo Elegível Aprovado: €1,354,373.66
Fundo Elegível Aprovado: €880,342.88

Faseamento das empreitadas de ampliação do cemitério da Vilã Chã, freguesia de Santo António da Charneca: EM13/2007 – Construção de Ossário 6ª Fase – Construção de 292 ossários (área de intervenção 90,00m2). EM21/2008 – Ampliação 1ª Fase – Construção de 336 ossários, 460 nichos/gavetões e casa mortuária (área de intervenção 3.963,00m2). Da 1ª fase da ampliação, consistiram trabalhos de construção de arruamentos, construção de áreas pavimentadas, 336 ossários, 460 Nichos/Gavetões, edifício para o forno incinerador, edifício para instalações sanitárias/arrecadação, rebaixamento do nível freático, rede de distribuição de água, rede de águas residuais, rede elétrica e arranjos exteriores. EM28/2008 – Desmatação e vedação (área de intervenção 7.600,00m2). A empreitada consistiu na desmatação e alteração da vedação, incluindo os trabalhos de demolição e construção de novos muretes em betão armado para fixação da nova vedação metálica, de modo a ampliar a área do cemitério. EM01/2012 - Construção de ossário 7ª Fase - Construção de 140 ossários (área de intervenção 150,00m2). A Empreitada consistiu na ampliação do número de ossários, pavimentações do acesso à nova zona e a sua envolvente, execução de rede de abastecimento de águas e rede de drenagem, rede de rega e plantação de árvores. EM07/2013 – Construção de ossários, nichos/ gavetões e valorização dos arranjos – Construção de 180 ossários e 300 nichos/ gavetões (área de intervenção 2.645,00m2). EM02/2014 – Construção de nichos/ gavetões – 580 nichos/ gavetões (área de intervenção 535,75m2). A Empreitada consiste na ampliação de nichos/ gavetões e na valorização dos arranjos exteriores incluindo colocação de novos pavimentos e rede de drenagem, de modo a adequar o espaço às necessidades e exigências atuais. Em resumo, as empreitadas do cemitério contemplaram a ampliação/ construção de 14.983,75m2.

 

Alburrica – Pavimentação de Parque de Estacionamento e Caminhos Pedonais

LISBOA-02-0741-FEDER-001123
Custo Elegível Aprovado: €59,484.42
Fundo Elegível Aprovado: €38,664.87

A empreitada situa-se no Concelho do Barreiro, União de freguesias do Barreiro-Lavradio, na zona de Alburrica. Esta fase agora apresentada, é do ponto de vista de projeto a sequência lógica de todo o trabalho já anteriormente desenvolvido no âmbito da Candidatura REPARA – Regeneração Programada para a Área Ribeirinha de Alburrica. A intervenção proposta, visa dotar o território de uma identidade una, recorrendo ao mesmo tipo de soluções e de materiais utilizados nas obras antecedentes, garantindo a coerência e filosofia da intervenção no todo do território de Alburrica. A intervenção mantém-se por isso sensível ao valor paisagístico do local, intervindo cirurgicamente sobre o mesmo, e de singularidade que o espaço nos oferece e comporta. Da empreitada constam os seguintes trabalhos: Escavações; Pavimentações; Fornecimento e colocação de dissuasores nos caminhos; Pinturas nos pavimentos.

 

Requalificação da envolvente ao Mercado e Piscina do Lavradio - FINANCIAMENTO APROVADO

LISBOA-02-0741-FEDER-001124
Custo Elegível Aprovado: €183,689.64
Fundo Elegível Aprovado: €119,398.27

A intervenção na freguesia do Lavradio, encontra-se inserido numa área de reabilitação urbana (ARU) e engloba 4 intervenções, duas ao nível dos arranjos exteriores, uma ao nível das plantações e outra ao nível das infraestruturas elétricas. É uma área que serve diversos equipamentos municipais, nomeadamente o Mercado Municipal, a Piscina Municipal, a Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico e um Jardim de Infância. As empreitadas tiveram como objetivo requalificar as áreas envolventes aos edifícios mencionados, que se encontravam totalmente descaracterizados. A área em apreço era predominantemente em terra batida, havendo apenas alguns percursos em calçada e uma via de circulação asfaltada. O objetivo era dotar os espaços de passeios, zonas de estacionamento automóvel, vias de circulação automóvel, zonas verdes e mobiliário urbano e um reforço da iluminação pública. A nova zona permitiu a articulação a todos os serviços criando-se bolsas de estacionamento automóvel, drenagem pluvial, percursos pedonais, área de lazer bem como zonas com diversas plantações e respetiva rede de rega.

 

Reabilitação da Rede Viária no Barreiro

LISBOA-02-0741-FEDER-001125
Custo Elegível Aprovado: €769,564.07
Fundo Elegível Aprovado: €500,216.65

As intervenções na rede viária, realizadas no âmbito das Empreitadas Municipais, EM23-2008, EM05-2009, EM03/2010 e EM08/2014, embora executadas em fases distintas e com um âmbito restrito, foram planeadas como ações complementares de intervenções de reabilitação urbana integradas em ARU. Nesta perspetiva, a definição do conjunto específico de vias a intervencionar teve como critérios o seu estado de conservação, o facto de se localizarem na zona de influência de equipamentos e, por esse motivo, sujeitas a maior tráfego/desgaste e servindo um universo populacional mais alargado – escolas, hospital, tribunal, piscina, mercados, etc. - e, por último, por se localizarem na fronteira com outras ações de reabilitação urbana, cofinanciadas ou não pelo FEDER, e onde não se inscrevem, designadamente: Habitação social Camarária/Bairro Alves Redol - Remodelação de Habitações; Requalificação do Bairro Alfredo da Silva – Candidatura Lisboa-02-0741-Feder-000939; Requalificação da envolvente ao mercado e Piscina do Lavradio; Antiga escola Mendonça Furtado – Lisboa-03-0944-Feder-000119;Revitalização do Centro do Barreiro, entre outras. Os critérios supramencionados imprimem às intervenções um caráter de componente de reabilitação urbana sublinhado pelo facto de terem sido envolvidas as concessionárias de redes de infraestruturas e dos serviços das águas e saneamento, tendo permitido uma coordenação das intervenções dessas entidades.

 

Valorização do Largo Soeiro Pereira Gomes

LISBOA-02-0741-FEDER-001126
Custo Elegível Aprovado: €100,465.14
Fundo Elegível Aprovado: €65,302.34

A empreitada de valorização do Largo Soeiro Pereira Gomes, situado na freguesia de Sto António da Charneca, consistiu na requalificação e reestruturação do largo e parque infantil que se encontravam descaracterizados, dando prioridade à pavimentação do espaço, possibilitando uma polivalência de funções mantendo alguns brinquedos destinados às crianças. Projetado como um espaço lúdico, esta zona foi pensada para permitir a sua utilização por crianças, enquanto espaço da diversão e por adultos enquanto espaço de lazer. Afastado das vias de circulação automóvel, este espaço encontra-se equipado com equipamento mobiliário, bancos e mesas – zona de lazer – e uma área de pavimento flexível com 1 baloiço e 1 escorrega, destinado às crianças. Na intervenção foram contemplados genericamente trabalhos de arranjos exteriores, incluindo demolições, movimento de terras, revestimentos de pavimentos, rede de drenagem pluvial, rede de rega, plantação de árvores e iluminação pública.

 

Largo Alexandre Herculano

LISBOA-02-0741-FEDER-001127
Custo Elegível Aprovado: €26,419.40
Fundo Elegível Aprovado: €17,172.61

O presente projeto integrado na freguesia do Barreiro, refere-se ao Projeto de Execução para as obras de construção civil do Largo Alexandre Herculano. A construção do objeto escultórico acaba por estruturar o espaço público e qualificar todo o tecido urbano envolvente, constituindo-se como uma nova referência na malha urbana, localizada numa artéria estruturante e com grande impacto no sistema rodoviário da cidade. Estas obras visam a requalificação do largo que se encontrava descaracterizado e a organização do trânsito neste local.

 

Monumento Escultórico Fuzileiros Navais

LISBOA-02-0741-FEDER-001128
Custo Elegível Aprovado: €36,750.00
Fundo Elegível Aprovado: €23,887.50

A operação localiza-se numa zona da cidade que, até há bem pouco tempo apresentava uma indefinição urbanística assinalável. A construção do objeto escultórico acaba por estruturar o espaço público e qualificar todo o tecido urbano envolvente, constituindo-se como uma nova referência na malha urbana, localizada numa artéria estruturante e com grande impacto no sistema rodoviário da cidade. Os presentes projetos integrados na freguesia da Verderena, referem-se à preparação de toda a estrutura na rotunda para a implantação de uma escultura alusiva aos fuzileiros e à modelação e tratamento com coberto vegetal da envolvente ao monumento dos fuzileiros e da respetiva rede de rega.

 

Requalificação do Parque Infantil da Cidade Sol - FINANCIAMENTO APROVADO


LISBOA-02-0741-FEDER-001129
Custo Elegível Aprovado: €22,664.02
Fundo Elegível Aprovado: €14,731.61
A empreitada de requalificação do Parque Infantil da Cidade Sol, situado na Freguesia de Santo António da Charneca, consistiu na substituição dos equipamentos infantis que se encontravam danificados por novos brinquedos preparados para o usufruto das crianças. Esta intervenção veio criar um espaço que outrora se apresentava ao abandono por um outro mais apetecível, fator importante para o local em questão. Esta obra insere-se na área de reabilitação urbana do programa de ação “parcerias para a regeneração urbana – bairros críticos”, designada por Quinta da Mina – Cidade para todos.


Regulamento/ Concurso: Reabilitação urbana (comparticipação: 65%)

LISBOA-02-0741-FEDER-000935 [+]

Prolongamento do Passeio Augusto Cabrita - FINANCIAMENTO APROVADO

506673626 - Município do Barreiro
Custo Elegível Aprovado: 149,202.83
Fundo Elegível Aprovado: 96,981.84

A operação pretende ser o “encaixar” da componente “acabamentos” na intervenção que a APL tem previsto executar para a frente de rio (Candidatura “Reabilitação da Proteção Marginal do Passeio Augusto Cabrita, no Barreiro”), ou seja, introduzir
funcionalidade estética ao passeio público ribeirinho, dotando-o de zonas de estadia diferenciadas, devidamente enquadradas e
potenciadoras de acrescentar valor à intervenção urbanística. A empreitada contempla a continuação do passeio ribeirinho
requalificado e criação de zonas de estadia/contemplação ao longo da nova linha de contenção de rio, que não será uma muralha
mas antes um observatório do “nosso” rio. O projeto propõe uma ligação maior da população à frente de rio, retirando a
possibilidade de uma “muralha” de estacionamento na frente de rio. Ficará apenas reservada uma faixa de verdadeiro passeio, seja
ele pedonal e ou ciclável. Esta área encontra-se descaracterizada, algo desorganizada e envelhecida, porém de enorme
potencialidade, e um “terraço” para o rio, que mais é naquela zona um pequeno mar. Do ponto de vista paisagístico, o projeto
reflete as preocupações de carácter paisagístico e ambiental, sendo que considera-se de manter as características biofísicas do
local de intervenção, a sua singularidade no seio do estuário do Tejo e a sensibilidade das estruturas que o compõem. Pretende-se
por isso uma intervenção criteriosa que mantenha o melhor que perdurou e promova a requalificação ambiental e paisagística da
totalidade da área.

Obras concluídas

LISBOA-02-0741-FEDER-000942 [+]

REPARA - Limpeza do coletor da Avª Bento Gonçalves - FINANCIAMENTO APROVADO

506673626 - Município do Barreiro
Custo Elegível Aprovado: 84,700.00
Fundo Elegível Aprovado: 55,055.00

O coletor pluvial da Avenida Bento Gonçalves constitui uma infraestrutura de elevada importância para esta área, uma vez que é
nele que é feita a recolha das águas pluviais de toda a zona antiga do Barreiro. Possui, por isso uma dimensão significativa e, por se
encontrar numa zona ribeirinha e plana, possui uma inclinação muito reduzida, desembocando no estuário do Tejo. Sofre assim uma significativa influência da maré, o que provoca a entrada de material do leito do rio para o seu interior, assoreando e reduzindo assim a sua capacidade de escoamento. Ao longo das duas últimas décadas o material sedimentar acumulado provocou a obstrução deste coletor, prejudicando inclusive a realização de ligações de novos coletores das travessas do bairro, cujas redes têm vindo progressivamente a ser renovadas. A intervenção de limpeza do coletor da Avenida Bento Gonçalves foi essencial para a melhoria do funcionamento da rede, e revestiu um importante investimento para a zona do Barreiro Antigo, uma vez que dela dependia a prossecução da reabilitação das infraestruturas de saneamento básico do Barreiro Antigo (redes unitárias), convertendo-as em redes separativas e otimizando assim todo o investimento que tem vindo a ser feito para a ligação da rede doméstica à nova ETAR.


LISBOA-02-0741-FEDER-000939 [+]

Requalificação do Bairro Alfredo da Silva - FINANCIAMENTO APROVADO

506673626 - Município do Barreiro
Custo Elegível Aprovado: 96,519.06
Fundo Elegível Aprovado: 62,737.39

A área de intervenção localiza-se no interior do Bairro Alfredo da Silva na Rua do Bairro das Caixas, Alto do Seixalinho, Barreiro e
tem uma área total de 6.113,00 m2. Trata-se de espaço público limitado pelos edifícios a poente e por um polidesportivo e edifícios a nascente. A empreitada teve como objetivo requalificar a área envolvente aos edifícios de habitação que estava totalmente descaracterizada pois não existia qualquer tipo de arranjo ou passeios. Tratava-se de uma zona predominantemente em terra batida, havendo apenas alguns percursos em calçada e uma via de circulação asfaltada. O objetivo era dotar o espaço de passeios, zonas de estacionamento automóvel, vias de circulação automóvel, zonas verdes e mobiliário urbano com um mínimo de custos e mantendo a maior área possível drenante. A nova via permitiu a articulação com o restante bairro criando-se à sua volta bolsas de estacionamento automóvel. Os percursos pedonais ficaram com uma largura de 3.00 ml e o acesso ao estacionamento com uma faixa de 1.50 ml. Junto aos edifícios criou-se uma área pavimentada com zonas de impermeabilização à volta dos edifícios e zonas amplas de lazer. Entre os percursos de acesso pedonal e as áreas de lazer junto aos edifícios foram plantados arbustos de forma a criar uma barreira verde e zonas permeáveis com custo relativamente reduzido. A empreitada incluiu ainda, o reforço da iluminação pública, rede de rega e rede de águas pluviais.


LISBOA-02-0741-FEDER-000937 [+]

Reabilitação da Piscina Municipal do Barreiro - FINANCIAMENTO APROVADO

506673626 - Município do Barreiro
Custo Elegível Aprovado: 170,955.00
Fundo Elegível Aprovado: 111,120.75

A piscina municipal do Barreiro situa-se junto ao rio, facto que agrava o estado de degradação com os efeitos da maré, motivo porque requereu a primeira intervenção urgente em 2012. A empreitada com vista à beneficiação da piscina, equipamento dos anos 70, consistiu no melhoramento dos equipamentos, substituição da rede de admissão e recolha de águas, instalações mecânicas e reparação da cuba, com vista ao melhoramento das condições de funcionamento e à qualificação dos serviços à população. A 2ª empreitada executada em 2013 consistiu na reformulação da imagem do edifício. Optou-se por elaborar uma proposta que, além de reparar as anomalias detetadas, fosse capaz de transformar o edifício numa referência positiva no contexto do ambiente urbano onde o mesmo se insere, a Avenida da Praia. O conceito da nova imagem exterior do edifício vai buscar referências ao rio e ao céu.
Para tal elaborou-se um plano (de cores) que distinguisse as áreas de envidraçados (preto) e que, em conjunto como a cor (azul cyan), conferisse algum conteúdo estético ao objeto final (ligação ao rio/céu). O projeto contemplou, no essencial, melhorias na envolvente exterior do edifício. Essas melhorias materializam-se nos seguintes trabalhos: • Demolição dos caixilhos existentes nas fachadas Sul e Poente (zona da piscina); • Reparação de rebocos danificados; • Pintura exterior; • Introdução de nova caixilharia nas fachadas Sul e Poente (zona da piscina), traduzindo deste modo na melhoria do conforto térmico. A piscina localiza-se na área de intervenção do programa de ação REPARA – Regeneração Programada da Área Ribeirinha de Alburrica, candidatura ao EIXO II e III do QREN – Operações integradas para Regeneração Urbana de Frentes Ribeirinhas e Marítimas.

____________________________________________________________________________________________________________________________

Candidatura em regime de aprovação condicionada – overbooking – Mobilidade Territorial (Aviso 4)

Regulamento/ Concurso: Mobilidade Territorial (comparticipação: 65%)


Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da Área de Influência da TTT (Margem Sul)


LISBOA-02-0650-FEDER-001205 [+]


Custo Elegível Aprovado: 269,870.83 €
Fundo Elegível Aprovado: 175,415.50 €

A presente operação teve como objetivo a elaboração do Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da Área de Influência da TTT (Margem Sul).
Num contexto em que se encontram planeadas opções de localização e instalação de equipamentos e infraestruturas de transportes estruturantes da Área Metropolitana de Lisboa com fortes impactos na Península de Setúbal (como por exemplo, o NAL – Novo Aeroporto de Lisboa, a TTT – Terceira Travessia do Tejo, o Comboio de Alta Velocidade, a Plataforma Logística do Poceirão e as expansões do MST – Metro Sul do Tejo e, mais recentemente, o novo Terminal de Contentores no Barreiro e os novos canais de acesso marítimo do Porto de Lisboa), ainda que com decisão incerta e datas desconhecidas, os Municípios do Barreiro, Moita, Palmela, Seixal e Sesimbra agruparam-se (este agrupamento de municípios é representado pelo Município do Barreiro) e tomaram a iniciativa de elaborar um Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal (adiante designado por PMTI), que contribua para a melhoria da situação existente face às dinâmicas de desenvolvimento instaladas e enquadradas pela revisão dos planos diretores municipais, como na perspetiva da integração deste Território nas mudanças estruturais que se vêm perspetivando no médio e longo prazo para a Região de Lisboa.
O PMTI, sendo um documento estratégico e operacional que contribuí para o fomento de uma mobilidade ao serviço do desenvolvimento sustentável, apresenta-se como um instrumento fundamental para a correção dos desequilíbrios que caracterizam atualmente o sistema de mobilidade e transportes e para reorientar as decisões sobre intervenções no território, quer seja ao nível da ocupação e usos do solo como da rede de transportes, procurando simultaneamente potenciar os pontos fortes e acautelar os impactes negativos derivados das várias e importantes transformações territoriais enunciadas nos parágrafos anteriores. Para tal, este documento responde a três importantes vetores – o conhecimento do sistema de mobilidade e transportes, a definição de uma estratégia promotora da mobilidade sustentável e a sua operacionalização – os quais estão enquadrados em diferentes áreas temáticas (território e demografia, padrões de mobilidade, acessibilidades – espaço Público, espaço Rodoviário, espaço Ferroviário e espaço Fluvial –, modos de deslocação – modos Suaves, transportes coletivos e transporte individual –, interfaces, estacionamento, logística urbana, ambiente, segurança rodoviária e conta pública do sistema de deslocações).

Data de início da Operação: 2011/07/08
Data de fim da Operação: 2015/07/15

Logosqren 1 750 2500

Uma Memória e um Futuro para o Barreiro - Reforço e Promoção da Identidade Territorial

506673626 - Município do Barreiro

Custo Elegível Aprovado: €356,506.42

Fundo Elegível Aprovado: €142,602.57

 

Esta candidatura emerge numa visão integrada de um conjunto de recursos e estratégias municipais nas áreas da memória, do património, da cultura, da educação, da participação, da informação, das novas tecnologias e do turismo.

 

Integrado num plano que abrange os temas da construção da identidade barreirense, da estruturação da memória coletiva e da consolidação de um caminho comum suportado numa carga histórica clara e numa proposta de futuro arrojada, emancipadora e sólida, na sua primeira fase, serão desenvolvidas várias ações de relevo interesse para o concelho até às comemorações do Dia da Cidade em 2015.

 

O ciclo que agora se inicia consolida num tronco comum, apoiado em cinco eixos centrais junto das escolas e da comunidade educativa, da academia, dos cidadãos e da comunidade, do movimento associativo e das empresas.

 

Que espaço para cada um destes eixos centrais?

 

BARREIRO. CERCO – REDES QUE NOS UNEM

 

Partimos da força simbólica de uma arte de pesca que até meados da década de 80 do século passado marcou a imagem da frente ribeirinha do concelho para construir uma rede que, desta vez, prenderá memórias em vez de peixes, enquanto tecerá, como a outra, elos de união entre atores sociais, fatos, percursos e propostas de trabalho e de futuro.

 

A partir desta metáfora criámos uma Plataforma online memoriaefuturo.cm-barreiro.pt, que reúne e disponibiliza, de forma progressiva, uma visão e uma aproximação integradas e abrangentes do concelho e do seu percurso, com particular atenção aos objetivos centrais da candidatura.

 

 

BARREIRO. GEORREFERENCIAÇÃO DE UM TERRITÓRIO

 

Propor uma visão georreferenciada de um território é, quase necessariamente, propor uma determinada leitura do mesmo, do seu passado e presente, e do seu potencial. É, podemos dizê-lo assim, avançar com sugestões e com uma determinada visão.

 

Mas pode, e deve, ser também um exercício de questionamento permanente: de quem frui a cidade e o concelho. Um exercício de confrontação de visões e perceções. Um exercício assente em trocas: de experiências, de opiniões, de aspirações.

 

Estamos, atualmente, em condições de fornecer informação de qualidade, integralmente georreferenciada, através do portal geobarreiro.cm-barreiro.pt

 

Estamos em condições de fazê-lo numa perspetiva pensado e delineada para a relação com os munícipes/cidadãos, assentando em instrumentos de forte componente participativa e colaborativa.

 

Integramos informação turística, uma perspetiva detalhada do Plano Diretor Municipal do Barreiro e dos seus impactos na vida do concelho, dados estatísticos, informação relativa a serviços, acessibilidades e mobilidade, restauração e hotelaria, desporto, educação, lazer, toponímia, routing, entre outros.

 

 

imagemBARREIRO. DA PONTA DA PASSADEIRA AO BICO DO MEXILHOEIRO – CINCO MIL ANOS DE MEMÓRIAS E REPRESENTAÇÕES. TRABALHO, RESISTÊNCIA, GEOGRAFIA, FUTURO

O Espaço Memória nasce da oportunidade gerada pela integração num mesmo serviço das competências (até aqui autonomizadas) de gestão, tratamento e valorização do arquivo e património histórico e museológico da Câmara Municipal do Barreiro, enquanto equipamento de realização e construção perspetiva e prospetiva da memória do concelho e das suas gentes.

imagem

Mais importante, ele nasce da urgência sentida pelo Município em superar um percurso de intervenção e trabalho sobre a história do território e das suas populações assente, também quanto à sua exteriorização, num posicionamento antagónico entre quem constrói e quem é objeto dessa construção. 

Neste sentido, o desafio que se coloca ao Espaço Memória, num primeiro nível, é o de promover uma conjugação ampla entre as competências Municipais nestas áreas e a comunidade onde se integra, desenvolvendo ferramentas capazes de abordar de um modo mais profundo o território, o património e a população. 

Num segundo nível, espera-se do Espaço Memória que opere como motor de diferentes componentes da realidade local, contribuindo para uma afirmação identitária enquanto explora, com fins científicos, educativos, e em geral, culturais, a totalidade do ambiente natural e cultural do Barreiro.

 

Pretende-se, para tanto, que o Espaço Memória envolva ativamente a população local no seu projeto (tanto na conceção como na dinamização), partindo das suas histórias, memórias e vivências quotidianas para alcançar uma visão dinâmica e contemporânea, capaz de acompanhar as mudanças no seio da própria comunidade e de funcionar como instrumento de promoção de uma participação cidadã cada vez mais intensa.

 

Deseja-se, num quarto e último nível, que o Espaço Memória saiba adequar o seu programa de atividades e a sua comunicação às necessidades e aspirações do público a que se dirige, seja inovando, mostrando-se capaz de tornar o seu discurso mais atrativo, abrindo-se a atividades “não tradicionais”, utilizando uma série de novas ferramentas de comunicação e dinamização ou aproveitando e levando tão longe quanto possível muito do trabalho já desenvolvido na área educativa em estreita articulação com as escolas.

 

Permitir e trabalhar efetivamente para que o Espaço Memória se construa e afirme como espaço de formação, representação identitária, valorização de recursos e património, concertação e cooperação interinstitucional, participação e cidadania, inovação e mobilização de novas atividades, representa para nós, um passo mais na consolidação de uma estratégia integrada de conhecimento, valorização e apresentação do que somos enquanto comunidade e do que queremos ser.

 

O eixo central BARREIRO. DA PONTA DA PASSADEIRA AO BICO DO MEXILHOEIRO – CINCO MIL ANOS DE MEMÓRIAS E REPRESENTAÇÕES. TRABALHO, RESISTÊNCIA, GEOGRAFIA, FUTURO traduz a necessidade de, tendo em conta os princípios e objetivos fixados para o ESPAÇO MEMÓRIA, a reformulação integral da sua exposição permanente, fazendo-a assentar sobre uma forte componente tecnológica, suscetível de um enriquecimento e valorização permanentes, capaz de estabelecer elos de ligação com a comunidade, apoiados em níveis de densidade e discurso conscientemente diversos e aptos a satisfazerem públicos consabidamente diferentes. 

 

BARREIRO. PRÁTICAS TURÍSTICAS, QUALIFICAÇÃO TERRITORIAL, VALORIZAÇÃO IDENTITÁRIA, POSICIONAMENTO INTERNACIONAL. UMA VISÃO APROFUNDADA.

imagem

Há muitos anos que trabalhamos, beneficiando de linhas de financiamento no âmbito do QCA e QREN, na afirmação de uma visão do território capaz de dar resposta às necessidades de valorização, afirmação e qualificação, local, regional, nacional e internacional do Barreiro. O REPARA, o POLIS, o IMPAR, o LIFE+ são exemplos disso mesmo.

 


Soma-se a este trabalho, um dos mais relevantes patrimónios industriais edificados do país, com alicerces na proto indústria moageira, na cortiça, na pesca e seca do bacalhau, no caminho-de-ferro, na indústria química, têxtil, alimentar e metalomecânica.


Reforçados por recursos tecnológicos inovadores, incluindo guias visuais, estratégias de aquisição de conhecimentos e informação em ambiente lúdico, e disseminação de informação em mais espaços (p.e. ecrã multitouch interativo), mas também numa sinalética ampla e eficaz, apoiamos nestes circuitos a construção de uma afirmação nacional e internacional do Barreiro enquanto centralidade turística no segmento do turismo industrial, promotora de uma nova imagem para o Barreiro e potenciadora de atratividades locais e regionais geradoras de emprego, de oferta de bens e serviços, e de novas oportunidades. 

  

BARREIRO. A CAMINHO DOS QUARENTA ANOS DE CIDADE – EXPLORAÇÕES E INTERROGAÇÕES EM TORNO DE UM TRONCO COMUM.

imagem

imagemReencontramos o património para lá do património. Evocamos e invocamos o fantasma desse tempo passado, retido na memória das fábricas e da indústria, e através dele surpreendemos o presente e o futuro.

Partimos para a ocupação desses territórios industriais (plenos de armazéns, chaminés, vazios urbanos) onde o trabalho continua a ecoar, numa presença paradoxalmente repleta de ausências e silêncios.

Aproveitamos as comemorações do Dia da Cidade (28 de junho), com todo o simbolismo que lhe inere, para reforçar essa aproximação.
Para ler o espetro da indústria no que já não existe. Para, através da intervenção artística, questionar o nosso percurso. Para, digamo-lo assim, nos conhecermos.

Convidamos artistas de relevo local, nacional e internacional à leitura e revelação das linhas de passado/futuro com que se cosem o nosso corpo comum e as nossas aspirações enquanto comunidade.

 

Convocamos os não barreirenses a conhecerem-nos. Convocamo-los para, connosco, ocuparem esses espaços latentes. 

 

Estamos a fazer este caminho com uma enorme paixão e energia.

 

São as pessoas que constroem a nossa memória. Elas que a vivem. Os mais velhos, os mais novos, os que ainda não nasceram. Queremos convocá-las permanentemente para que construam o caminho connosco. Queremos que intervenham no caminho. Que o balizem, identifiquem. Que lhe encontrem os pontos de ligação, de progressão e de sucesso.

 

Estamos a identificar comunidades e a trabalhar com elas. Nas suas aspirações e percursos: no património, nas artes, no desporto, nas universidades, no trabalho. Contamos com as suas visões e capacidades específicas.

 

Para isto, introduzimos elementos de intervenção direta sobre os percursos disponíveis, aumentando os níveis de identificação de todos com o resultado final.

 

Acreditamos que é possível proporcionar uma intervenção arrojada e apontada a cada público.

 

Ligamos intimamente este trabalho à nossa realidade. De forma clara e inclusiva, mostrando que cada assunto está ao seu alcance da discussão e intervenção dos barreirenses.

 

Definimos e implementamos uma campanha Informativa e comunicacional, destinada a “injetar otimismo” na melhoria das condições económico-sociais dos residentes no Território, visando elevar os seus índices de autoestima, contendo ações de informação do projeto em curso, dos seus objetivos e resultados esperados, identificando desde o primeiro momento mecanismos e metodologias de auscultação periódica dos sentimentos e perceções dos intervenientes.

 

Assumimos que este é o primeiro ciclo de um processo interminável. Onde terá lugar a elaboração e implementação de um Programa da Qualidade, baseado nas conclusões retiradas das auscultações das opiniões dos “clientes visitantes” e no respetivo diagnóstico, visando aumentar o Índice de Satisfação dos munícipes/utilizadores, com vista à crescente valorização da oferta, e acarretando, por sua vez, uma crescente sustentabilidade dos negócios instalados.

Onde caberá, igualmente, um incremento das redes com os concelhos limítrofes.

Onde se promoverá a vivência e fruição da cidade, proporcionando experiencias cada vez mais abrangentes, através do património e das suas múltiplas memórias, melhorando o aproveitamento e usufruto cultural do espaço público e ajudando à revitalização e reapropriação de locais históricos e áreas abandonadas, nomeadamente industriais e portuárias, através do desenvolvimento de atividades artísticas e culturais.

imagem

Município do Barreiro © 2015 | Todos os direitos reservados

logotipo de wc3amrs logotipologotipo Wiremaze